Críticas e elogios

Comportamento dos pais serve de espelho para os filhos e inserem, de forma positiva, as novas gerações na sociedade, oferecendo ferramentas para que a criança monte um repertório de conceitos e atitudes importante em sua formação

Na educação das crianças, os comportamentos de seus pais funcionam, em grande parte das ocasiões, como um guia de conduta, que, de acordo com sua adequação, permite-lhes adquirir atitudes e condutas cada vez mais refinadas e compatíveis com os hábitos e costumes sociais aceitos em sua cultura.

Tais comportamentos inserem, positivamente, as novas gerações na sociedade, dando-lhes ferramentas, que, além de lhes facilitar uma produtividade com eficiência e eficácia acima da média, podem garantir uma qualidade de desempenho pessoal, que resulta em um diferencial diante de seus pares. A escola oportuniza a manutenção, a fixação e a expansão desse repertório, por meio do exercício diário das primeiras vivências sociais fora do círculo familiar.

Já que desde o nascimento as crianças são observadoras vorazes do comportamento dos pais e, com eles, interagem sempre em busca de sua atenção, na medida em que seu repertório de conhecimentos e comportamentos se torna mais complexo, e que as experimentações com o meio começam a ser mais significativas, é natural que busquem referências, respostas sinalizadoras de agrado ou desagrado para seus comportamentos. Em outras palavras, buscam comportamentos reativos, que delimitem e orientem essas condutas.

Na nossa sociedade, duas formas clássicas de resposta para tal tipo de demanda são o elogio e a crítica, ambos extremamente úteis, quando bem aplicados, e muito prejudiciais, quando usados indevidamente.