A escolha profissional

Todos os anos centenas de alunos do ensino médio enfrentam o mesmo desafio: decidir qual será o curso que vai prestar no vestibular. A decisão, que não é nada simples, vai refletir diretamente na carreira profissional que este aluno pretende seguir e, portanto, muitos sofrem com as dúvidas na hora da escolha.

Uma das maneiras mais tradicionais para ajudar o aluno a decidir qual é a melhor carreira a ser seguida é fazer orientação vocacional, uma avaliação criteriosa realizada por profissionais habilitados que vão mostrar ao candidato quais seriam as carreiras que ele tem mais aptidão.

“Uma orientação vocacional vai além de um teste psicológico. O teste é apenas mais um instrumento que o avaliador pode usar dentro de um processo maior que é a orientação profissional. São várias consultas, entrevistas, testes e outras atividades realizadas para chegarmos numa direção, num diagnóstico de orientação”, afirma Rosane Levenfus, ex-presidente da Associação Brasileira de Orientação Profissional (ABOP).

E engana-se a pessoa que pensa que a escolha de uma carreira pode ser decidida naqueles testes simples, publicados em sites ou revistas, com perguntas superficiais. Muito pelo contrário. Segundo o Conselho Federal de Psicologia (CFP), órgão responsável por validar os exames aplicados pelos psicólogos, os testes publicados em revistas ou sites aleatoriamente não têm comprovação científica e por isso não trazem resultados confiáveis.

O mais importante na hora de fazer uma avaliação vocacional, dizem os especialistas, é que o aluno em dúvida procure um profissional habilitado que ofereça o serviço.

Escolher uma profissão simplesmente porque se tem facilidade para algumas matérias no Ensino Médio pode ser um equívoco. Deve-se pensar que a vida profissional é muito diferente da vida de estudante. Fazer sua opção porque determinada carreira está em moda, descartando outras mais tradicionais por considerá-las saturadas, também pode não ser uma boa ideia, já que o mercado é muito dinâmico e a realidade, em cinco anos, será totalmente diferente.

Para minimizar esses dilemas, é importante que o jovem reúna o máximo possível de informações sobre a carreira que deseja seguir, que podem ser obtidas através de um processo de orientação vocacional/profissional, que também o ajudará a entender quais são suas características pessoais.
O jovem deve preparar-se para escolher bem e defender suas escolhas, tanto para si quanto para os outros, estando apto a enfrentar as dificuldades que encontrará. Também ajuda pensar que nenhuma escolha é definitiva. Além da possibilidade de mudar, existe a de exercer atividades diferentes depois da graduação.

Vale ainda lembrar que esta opção tão importante deve ser feita livremente das influências do meio e de acordo com a individualidade de cada um. Quando se está em uma profissão e por ela sente uma afinidade grande, uma espécie de paixão, quando o indivíduo se sente satisfeito com o que faz, ele consequentemente estará mais feliz. Mais feliz e satisfeito com sua profissão, buscará se aprimorar dentro dela, dessa forma a exerce com prazer e garantirá o seu futuro profissional, o sucesso e a estabilidade financeira, serão consequência.

Fonte: Texto adaptado dos sites: http://www.universitariovestibulares.com.br e http://www.portalvocacional.com.br